A importância do nariz

O que seria do motor do carro sem o radiador? Como era o banho antes da invenção do aquecimento da água? Essas analogias podem ser feitas com o nosso nariz. É a porta de entrada para as vias aéreas, portanto tudo que chega aos pulmões deveria passar pelo ele. As funções delegadas a esse órgão são a de filtrar, umidificar e aquecer o ar. O muco serve como uma cola para grudar as partículas, mandando-as para a garganta e, consequentemente, para o estômago, onde o ácido destrói tudo. Assim, as partículas são filtradas para não chegar aos pulmões. Quando o ar externo é muito seco, cabe ao muco nasal umedecê-lo, mandando para os pulmões com a umidade relativa do ar sempre perto de 100%. O mesmo acontece com a temperatura, independente da temperatura externa o sistema de aquecimento do nariz sempre manda o ar perto dos 34°C para o restante das vias aéreas.

Esse mecanismo extremamente complexo pode ser deixado de lado? Pode ser desviado para a boca? Poder até pode, mas é fácil de entender que isso trará conseqüências. A boca não consegue fazer essas funções nasais, levando um ar impuro, frio e seco para a garganta e o resto das vias aéreas, além de que a respiração oral causa alteração no crescimento nos ossos da face e arcada dentária, principalmente em crianças.

As rinites e sinusites crônicas alteram as propriedades do muco nasal, dificultando a função de defesa e de umidificação do ar. As estruturas nasais (cornetos, popularmente conhecidos como “carne esponjosa”) ficam inchadas e dificultam a passagem de ar, atrapalhando o aquecimento do mesmo. Por isso as rinossinusites não tratadas podem levar a todos os malefícios da respiração oral, além de deixar o paciente mais suscetível a infecções, por atrapalhar diretamente na defesa da porta de entrada das vias aéreas. O ar seco e frio em contato com os brônquios também causam crises de asma e bronquite. Desvios de septo e outras alterações estruturais também atrapalham todas as funções nasais. As cirurgias nasais puramente estéticas também podem estreitar o nariz internamente, atrapalhando a função.

A cirurgia nasal é bastante desafiadora por termos que otimizar a passagem de ar no nariz mas sem atrapalhar suas funções. Se deixarmos muito aberto, é como quando abrimos demais o chuveiro elétrico no inverno, a resistência do chuveiro não dá conta de aquecer a água, que fica fria. Se liberarmos muito a passagem de ar, o nariz não consegue exercer adequadamente suas funções, portanto a respiração nasal nunca pode ser tão livre quanto a respiração pela boca. Temos que abrir o suficiente para que o paciente não precise abrir a boca para respirar, mas não demais que atrapalhe nas funções nasais.
A saúde de todo o nosso sistema respiratório começa pelo nariz, a porta de entrada. Isso é fundamental para os mamíferos desde o nascimento, pois necessitamos respirar pelo nariz enquanto mamamos. A respiração oral é uma adaptação com várias conseqüências para nossa saúde, na dúvida, consulte seu otorrinolaringologista.

Dr. Eduardo Homrich Granzotto
CREMERS 27691