As faces da Timidez
O Transtorno de Ansiedade Social se inicia em uma fase intermediária da adolescência, às vezes após uma história de inibição social ou timidez na infância. Alguns indivíduos relatam um início em uma fase precoce da infância.
Pode ocorrer abruptamente após uma experiência estressante ou humilhante, ou pode ser lento e progressivo. A evolução frequentemente é contínua e pode durar para sempre, embora possa ter sua gravidade diminuída e até mesmo cessar durante a fase adulta, oscilando de acordo com as exigências da vida cotidiana.

O principal sintoma do transtorno é a ansiedade excessiva na presença de outras pessoas, que se relaciona com o

Quando restrita, se apresenta nas situações de falar, comer ou escrever em público – circunscrito.

Quando generalizado, se apresenta em situações como ir a uma festa, falar com estranhos, ir a um banheiro em situações sociais, tratar com pessoas em posição hierárquica superior ou situações em que possa ser observada, julgada – generalizado.

Tais situações de ansiedade, são vividas com extremo desconforto ou até mesmo evitadas. O contato, ou a previsão de contato com tais situações, já precipitam os sintomas físicos (rubor, sudorese, tremores, taquicardia, tensão muscular, boca seca, vertigem…) e quanto mais sentir-se estranho ou sintomático, pior ele ficará, acreditando que os outros estejam percebendo e causando maior ansiedade… eventualmente chegando a ter uma crise de pânico associada. Tais sintomas podem fazer com que o paciente abandone seus amigos, se distancie de suas atividades e possa não conseguir enfrentar situações novas.

A depressão, o abuso/dependência do álcool ou drogas são problemas que muitas vezes se somam ao transtorno, podendo inclusive se tornar consequência deste.

É fundamental ter em mente que é possível superar o transtorno. Reconhecer o problema é o primeiro passo, o passo seguinte é procurar ajuda.

Dra. Caroline Peter Scherer
CRM – 25436
F: 3593.2588