Contato     Acesso aos laudos:     Médicos   |   Pacientes  
HOME UNIDADES CENTRAL TÉCNICA CONVÊNIOS SERVIÇOS EQUIPE
 

Atualizações Técnicas

Volume Plaquetário Médio (VPM) e suas Aplicações Clínicas

Sexta-feira, 11 de Maio de 2012

As plaquetas ou trombócitos são fragmentos citoplasmáticos anucleados tendo sua origem na medula óssea após ruptura do megacariócito. A principal função da plaqueta é manter a integridade vascular, previnir e agir no processo da hemorragia. Os parâmetros plaquetários estão disponibilizados nas modernas automações no hemograma e constam de contagem de plaquetas, o Plaquetócrito (PCT), a Amplitude de Distribuição de Plaquetas (PDW) e o Volume Plaquetário Médio (VPM).

Estes parâmetros são importantes e úteis no diagnóstico e tratamento de doenças hematológicas e outros quadros clínicos usuais na prática médica. E o VPM é que tem recebido maior atenção. Este representa a média dos volumes de todas as plaquetas contadas e avaliadas volumetricamente em um número de 10.000 células.

Os volumes de referência médios situam-se 6,5 - 9,5 fl sendo os mais usuais na literatura moderna.

As aplicações clínicas atuais passam das doenças hematológicas como púrpuras plaquetárias, mielodisplasias, síndromes plaquetárias, passando por diabete mellitus, eclampsia, doenças vasculares, doenças cardíacas, doenças infecciosas e doenças endócrinas. De forma geral, em pacientes trombocitopénicos o VPM elevado pode denotar um aumento da destruição das plaquetas. Uma avaliação seriada do VPM de trombocitopénicos é útil para predizer se a queda da contagem das plaquetas é devida a hipoprodução ou hiperdestruição. Com hipoprodução o VPM diminui enquanto que na hiperdestruição o VPM tende a aumentar.

Os parâmetros plaquetários (Trombograma ou Plaquetograma) são úteis na distinção entre tipos de trombocitopenia seja por hipoprodução ou por hiperdestruição. Também tem um papel importante no diagnóstico diferencial das trombocitoses reativas e mieloproliferativas. Os parâmetros do trombograma devem ser utilizados em conjunto a fim de aumentar a sensibilidade em detectar estado patológicos relacionados. Este não são parâmetros críticos se comparados com outros parâmetros do hemograma, mas são adjuvantes extremamente úteis quando vistos no global do hemograma.

O Exame Laboratório disponibiliza em seus hemogramas estes parâmetros, basta que sejam solicitados, sem nenhum custo adicional. Peculiaridades técnicas e literatura consultada estão à disposição no setor de hematologia do Exame Laboratório.


PATOLOGIA

ALTERAÇÃO USUAL DO VPM

FISIOPATOLOGIA
OBSERVAÇÃO
Aterosclerose e IAM
Aumentado
1) Aumento da produção de PLT grandes e hipergranulares;
2) Aumento do consumo de PLT no local do infarto.

* Fumo aumenta o VPM em idosos (fator de risco);
* Aumentos anormais do PDW e trombocitopenia pode ser uma característica de um estado pré-trombótico em doenças coronarianas.

Septicemia
Aumentado
Aumento da destruição periférica com consequente aumento da trombopoiese.

Septicemia severa pode associar-se com VPM baixo e trombocitopenia;
- Em RN o aumento do VPM e PDW tem sido associado com bacteremia.

Vírus HIV
Diminuído

Destruição periférica
Obs. Trombopoiese prejudicada na produção e maturação do megacariócito.

 
Diabete Mellitus
Aumentado
Aumento da síntese de glicoproteínas de membrana
Obs. Este aumento das GP leva a um estado de hipercoagulabilidade visto em diabéticos.

* Alguns pacientes podem apresentar VPM normal.

Doenças da Tireóide

Aumentado no hipertireodismo

Diminuído no hipotireodismo

Aumento no turnover plaquetário com defeito de produção.

Defeito de produção

* O VPM volta aos valores de referência após o término ou controle da doença.

* Um aumento no VPM não é um fator especifico do hipertireoidismo, mas é um achado comum.

Gravidez

Aumentado em eclâmpticas e preeclâmpticas

Consumo de plaquetas

* O VPM aumenta pelo menos uma semana antes da hipertensão se tornar clinicamente aparente.

* O VPM pode predizer se a paciente pode progredir para doença severa.

Deficiência de Folato;
Anemia Ferropriva;
Síndrome de Wiskott-Aldrich;
Anemia Aplástica

Dimunuído
Defeito de produção  
Doença Inflamatória do Intestino
Dimunuído
Consumo de plaquetas

* Comum em colite ulcerativa e doença de Crohn

Trombocitose Mieloproliferativa
Aumentado

Defeito de produção (neoplasia)

 
Trombocitose Reativa
Dimunuído
Defeito de produção  
Trombocitopenia

Aumentado

Dimunuído


Destruição

1)Produção hipoplástica
2)Hiperesplenismo

* Ex.: Sepse, preeclâmpsia púrpura trombocitopénica trombótica

* Supressão da medula óssea por quimioterapia (QT)

* Assim que a QT é finalizada o VPM aumenta antes da melhora do número de plaquetas.

Púrpura Trombocitopénica Imunológica (PTI)
Aumentado
Destruição periférica por Ac  
Síndrome de Bernard-Soulier
Aumentado

Defeito de produção (Doença autossômica recessiva)

* Trombocitopenia leve à moderada

* Tempo de sangramento prolongado



< voltar

 
Resultados
de Exames
Médicos
Pacientes
Convênios
Atendendo
Você