Causas, sintomas e tratamento da rinite

Além do espetáculo visual característico da chegada do outono, algumas pessoas são surpreendidas pelo início de um quadro de rinite, definido como a presença de sintomas de hipersensibilidade nasal (coceira, espirros, coriza, obstrução nasal) como decorrência de uma exposição da mucosa nasal a alérgenos específicos. Esses alérgenos são quaisquer partículas que desencadeiem uma reação imunológica, como fungos, ácaros e pelos de animais. O diagnóstico de rinite é clínico, porém testes alérgicos auxiliam no diagnóstico. A presença de testes alérgicos positivos, familiares com rinite, alergias alimentares e de pele definem a rinite como alérgica. Entretanto, vale ressaltar que existem rinites crônicas que não são mediadas por um fator alérgico, e sim por trocas de temperatura, por exemplo.

Frequentemente, rinite e sinusite coexistem, com a rinite causando um edema na mucosa do nariz, a qual vai causar obstrução dos seios da face, cavidades cheias de ar que se comunicam com o nariz. Quando essas cavidades são contaminadas por bactérias ou fungos, temos a chamada sinusite infecciosa. A rinite quando não tratada corretamente prejudica a qualidade de vida, atrapalhando o sono, a atividade física e os estudos. Felizmente, a medicina moderna tem muito a nos oferecer para o controle desse problema, já que cerca de 10% a 20% da população global apresenta essa condição.

Um dos sintomas mais debilitantes da rinite é a obstrução nasal, frequente em pacientes com rinite persistente grave. Na maioria das vezes, esses pacientes conseguem respirar melhor apenas com o uso de medicamentos. Os mais utilizados são os sprays de corticosteróides aplicados diretamente na cavidade nasal. Os mais modernos desses antiinflamatórios têm uma alta potência local, mas baixa absorção para o resto do corpo. Com isto, os efeitos adversos tão conhecidos dessa classe de medicação são evitados. Outros medicamentos utilizados são os anti-histamínicos, os inibidores dos leucotrienos e os vasoconstritores. A imunoterapia – vacinas – é utilizada para casos bem selecionados.

Quando um paciente com rinite apresenta a associação de um problema estrutural, como um desvio do septo nasal ou um aumento das adenóides, frequentemente a solução dos problemas passa por uma cirurgia. Por este motivo, a avaliação com um especialista é fundamental, pois o otorrinolaringologista poderá realizar exames de videoendoscopia nasal, avaliando a cavidade nasal como um todo e limitando as solicitações de raios x e tomografia computadorizada dos seios da face apenas àqueles casos realmente necessários, diminuindo a exposição à radiação. Desta maneira, o uso dos antibióticos fica mais racional e as terapias específicas podem ser empregadas. Com bom senso do médico, esforço adequado do paciente e uma motivação em resolver o problema, podemos ter certeza que o resultado final será traduzido na melhoria da qualidade de vida do paciente.

Dr. Nelsoni de Almeida
Cremers 24119

Fonte: Jornal NH – Caderno de Saúde – Segunda-feira, 03 de abril de 2017.