Ceratocone: como identificar e tratar

Como está a sua visão? Já ouviu falar do ceratocone? Imagine começar a enxergar tudo borrado, distorcido e até duplicado. “Eu comecei a ver distorcido, não tinha foco, não conseguia enxergar alguns pontos no rosto das pessoas”, conta a psicóloga Jaqueline Gomes dos Santos, que descobriu a doença aos 20 anos.

O ceratocone faz com que a membrana da frente do olho, que é redondinha, fique com um formato que lembra um cone. A doença provoca o afinamento da córnea, como mostrou o programa Bem Estar.

A córnea é o local onde ocorre tanto o astigmatismo como o ceratocone. Ambos são alterações na superfície da córnea, mas o ceratocone é um astigmatismo ruim, que pode inviabilizar a visão se progredir, mas raramente leva à perda de visão se for tratado. O primeiro sinal de alerta para ambas as doenças são alterações na visão.

Cerca de 8% dos casos de ceratocone estão relacionados à herança genética. Óculos, lentes, anel ocular e transplante de córnea são as abordagens para tratar a doença.

Óculos
Os óculos não são para sempre. De tempos em tempos é preciso fazer o exame para saber se está tudo certo com a sua visão. Algumas pessoas acabam recorrendo aos chamados ‘óculos de farmácia’ quando sentem que a vista está um pouco embaçada, ruim. Entretanto, isso não é recomendável.

Antes de comprar os óculos, você deve consultar um oftalmologista. O exame de visão não serve só para verificar a necessidade dos óculos. Ele também pode identificar outros problemas.

Retinoblastoma
Retinoblastoma é o câncer de olho mais frequente em crianças pequenas, segundo o Inca, e um de seus sinais é justamente o chamado “reflexo do olho do gato”, caracterizado por uma mancha branca na pupila quando ela é exposta à luz. A mancha torna-se especialmente visível em fotografias com flash. Fonte: Bem Estar