Cirurgia plástica na adolescência

O Brasil é o País que mais realiza cirurgias plásticas no mundo, ultrapassando os Estados Unidos. A colocação de implantes de silicone nas mamas é a cirurgia mais realizada seguida da lipoaspiração.
O número de cirurgias plásticas em adolescentes entre 14 e 18 anos mais do que dobrou em quatro anos – saltou de 37.740 procedimentos em 2008 para 91.100 em 2012 (141% a mais), segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).
Mas, por se tratar de um tema tão presente e com demanda crescente, é necessário os médicos orientar as famílias não somente sobre a necessidade mas também sobre os cuidados e os impactos de uma intervenção desse tipo ainda na adolescência.
A cirurgia plástica não está contraindicada para adolescentes . Não existe uma idade mínima, mas cada procedimento deve ser analisado de maneira única, ou seja, cada caso é um caso diferente de outro com suas particularidades específicas. Neste momento, é importante a família participar ativamente, acompanhando as consultas e compreendendo o processo. Trata-se de uma faixa etária com excelente saúde e baixo risco cirúrgico. Portanto, não há problemas técnicos adicionais para esses pacientes.
Muitas vezes, a vontade de se submeter a uma cirurgia plástica nesta faixa etária pode estar relacionada tanto à saúde quanto à questão estética e são aspectos como estes que devem ser compreendidos pela família.
Uma das cirurgias realizadas em crianças é a de correção das “orelhas de abano” que com frequência perturba os pequenos que sofrem bullying na escola. Crianças com 5-6 anos já podem passar por essa cirurgia, pois com essa idade a orelha ja está quase totalmente formada.
Por outro lado, há restrições que requerem tempo para a realização de cirurgia plástica na adolescência. Existem pacientes que se queixam do tamanho do nariz. Neste caso, mesmo com vontade do paciente e dos pais a cirurgia que é indicada somente após os 15 anos em meninas, perto do fim do estirão da adolescência, e após 16 anos em meninos.
A ginecomastia( aumento de mamas em meninos) é uma doença que causa desgaste psicológico importante , numa fase em que a autoestima é tão necessária. Tratamento vai necessitar de avaliações hormonais e às vezes necessidade de cirurgia para correção.
Então, como foi frisado durante o texto, os adolescentes podem se submeter a cirurgias plásticas, porém cada caso deve ser avaliado de forma singular com a família e seu médico.
Dr. Bruno Zimmermann
CRM 32567
Cirurgia Plástica

Fonte: Jornal NH – Caderno de Saúde – Segunda-feira, 24 de outubro de 2016.