Cuidado com dietas milagrosas

      Nos dias atuais, há uma grande propagação de dietas restritivas em redes sociais na busca do corpo perfeito ou na solução de problemas intestinais como flatulência (gases), sensação de “estufamento”, diarreia, entre outros. Muitas vezes essas dietas acabam excluindo nutrientes essenciais para um perfeito equilíbrio nutricional e, pior ainda, sem evidências científicas do seu benefício.
As dietas restritivas estão indicadas para situações clínicas bem estabelecidas. Dessa forma, é fundamental a orientação médica para o diagnóstico de doenças como: Doença celíaca, Intolerância à Lactose e Alergia Alimentar.
Uma vez feito o diagnóstico, o acompanhamento nutricional, em especial, com Nutricionista ou Nutrólogo é importante para manter a dieta equilibrada. Esse profissional, avaliará a necessidade do uso de suplementos para repor as carências.
Cuidado com a restrição indiscriminada de glúten e lactose. Os alimentos lácteos são a maior fonte de cálcio e a ingestão inadequada pode levar a osteoporose no futuro. A restrição do glúten sem avaliação clínica, pode retardar o diagnóstico da Doença Celíaca, que requer a retirada do trigo, aveia, cevada e centeio (glúten) por toda a vida. Sintomas intestinais como os descritos acima, anemia crônica, constipação, dor abdominal, diarreia, devem ser avaliados por um médico Clínico, Pediatra ou Gastroenterologista. Crianças com baixo peso e estatura, mesmo sem esses sintomas também devem ser avaliadas.
Devemos nos conscientizar que dietas milagrosas não existem. Necessitamos uma dieta equilibrada, prezando por menos produtos industrializados, menos açúcar e menos sal. Aprender a comer para ensinar nossos filhos a comer. Dessa forma, poderemos contribuir na redução da epidemia de obesidade que vem crescendo e trazendo consigo suas consequências: pressão alta, diabetes, aumento de colesterol, triglicerídeos entre outros.
Somos o que comemos…

Dra. Juliana Cristina Eloi
Gastroenterologia Pediátrica – CRM 024705