Demência avançada

O que é demência avançada? É a fase em que os portadores de demência encontram-se dependentes para todas as atividades mais complexas, e cada vez mais dependentes para as atividades básicas da vida diária, como tomar banho, vestir-se, fazer sua higiene após o uso da toalete, controle alimentar, entre outras.

Quais os sintomas da Demência avançada? Os sintomas incluem a piora progressiva da memória, orientação no tempo e no espaço, reconhecimento de familiares e amigos, capacidade de decisão e julgamento crítico, que já vinham prejudicados nas fases leves da demência, e o aparecimento de sintomas de comportamento, como agressividade, agitação, apatia, alucinações, delírios, alterações do sono e outros. Além disso o paciente vai reduzindo progressivamente a sua capacidade de se comunicar através de palavras, de caminhar sozinho e de deglutir alimentos e líquidos.

Como a Demência avançada evolui e quais a suas consequências? A evolução é lenta com o aparecimento dos sintomas descritos, onde o paciente se torna cada vez mais dependente do cuidador, fragilidade física e emocional sobrecarregando o cuidador. Começam os agravos de saúde que andam paralelo com o quadro demencial, o aumento do número de medicamentos e seus efeitos adversos, além da presença da dor não diagnosticada que passa desapercebida no pacote da demência. Com isso a dor passa desapercebida e sem tratamento, mas causa irritabilidade, apatia, depressão e outras manifestações individuais. Neste momento os pacientes começam a sofrer isolamento social e risco de violência por cuidadores ou familiares despreparados ou elevação dos níveis de estresse, que não tem paciência para os cuidados necessários. A demência avançada termina com o paciente acamado, isolado e sem contato com o ambiente por volta do décimo ano da duração da doença.

Quais as mudanças em relação aos cuidados que ocorrem na fase tardia da demência avançada?  Cuidados com a pele, com a saúde bucal, física geral, nutrição e deglutição com grande risco de aspirar, equilíbrio e marcha com risco de quedas, estímulos sensoriais e intelectuais, cuidados com o cuidador e a família que também se esgotam. Com isso se torna necessário avalições por profissionais de saúde com maior frequência, pois é desse cuidado que o tempo de sobrevida e a qualidade de vida podem melhorar.

Como os profissionais de saúde podem ajudar nesta fase? Médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, psicólogos e assistentes sociais são fundamentais para um cuidado amplo atuando na prevenção e no tratamento nas complicações dos quadros demenciais. Estas possibilidades estão atreladas ao suporte financeiro e previdenciários disponíveis.

Quais os medicamentos comumente usados nestas fases avançadas da demência? São vários em escala progressiva, tanto para a demência quanto para os outros problemas de ordem clínica que podem estar presentes. É bastante comum o uso de medicamentos para controle do comportamento (antidepressivos, antipsicóticos), controle do sono e da dor.

Quando sabemos que chegou o momento da Institucionalização (clinicas geriátricas ou similares)?  Não tem um tempo certo, nem uma indicação obrigatória. Cada família sente o quanto pode cuidar de seu familiar doente com qualidade, e quando não se sente mais capaz de fazê-lo talvez a institucionalização seja uma solução possível.

RAUL CASSEL
Médico e Vereador

Fonte: Jornal NH – Caderno de Saúde – Segunda-feira, 31 de julho de 2017.