Dicas para um verão saudável

O verão é a estação das férias escolares, onde muitas pessoas aproveitam o convívio familiar amenizando as altas temperaturas na praia, balneários e piscinas. É também a estação onde observamos maior incidência de casos de diarreia aguda e insolação, ocasionando como consequência, desidratação. Nossa região tem enfrentado as temperaturas mais altas do estado, dessa forma, há cuidados indispensáveis à saúde a serem adotados para poder aproveitar plenamente os momentos de lazer. Esses cuidados devem ser observados principalmente em crianças e idosos.

Uma maneira simples de prevenção da desidratação, é o consumo adequado de água. Cabe lembrar que o consumo de refrigerantes, sucos e chimarrão não servem como hidratantes.

A água é o principal constituinte do corpo humano (70-75%) e atua como reguladora da temperatura corporal, auxiliar da digestão e absorção de nutrientes, solvente de resíduos, diminuindo a toxicidade e proporcionando a filtração e excreção dos mesmos e contribuindo para o bom trânsito intestinal.

O cuidado com alimentos perecíveis e manipulados em ambientes duvidosos deve ser observado, pois a proliferação bacteriana propicia a intoxicação alimentar. A lavagem das mãos antes do preparo e consumo dos alimentos e após o uso do sanitário também previne a contaminação.

O uso de roupas leves e de cores claras e a prática de exercícios em horários onde a temperatura é mais amena evitam a perda excessiva da água corporal. O consumo de água durante atividade física é fundamental, principalmente nesse período do ano.

A vacina contra o rotavírus nos primeiros meses de vida tem a finalidade de prevenir grandes epidemias de diarreia aguda em creches e escolas. O objetivo dessa vacina é reduzir o número de quadros de desidratação grave e a necessidade de hospitalização.

Uma vez instaurado o quadro de diarreia, é importante estar atentos a sinais de desidratação: boca e pele secas, olhos fundos, moleira funda (bebês), diminuição do suor e lágrimas. Outros sinais que podem estar presentes são tontura, cansaço, dor de cabeça, aumento da frequência cardíaca, febre, diminuição da urina. Se não tratada, a desidratação pode levar a perda de função renal, choque, convulsões, coma e morte.

Atualmente, os casos de desidratação grave podem ser prevenidos com o uso do soro de reidratação oral, que são distribuídos gratuitamente no posto de saúde. Felizmente, essa conduta vem reduzindo drasticamente os casos de morte por diarreia. Caso os vômitos impeçam a administração do soro, uma consulta médica é indispensável.

Dra. Juliana Cristina Eloi
CRM 024705
Gastoenterologia Pediatrica