Geração NEM NEM e violência
Assistindo as cenas de violência em que bandidos jovens, estão matando assaltando e a sociedade encontra-se refém, fez-me refletir e ter a coragem de fazer este artigo. Coragem porquê uma grande parcela da sociedade ficará desempregada, caso mude este clima de guerra civil, que vivemos onde os cidadãos ordeiros, estão refém da bandidagem.
A pergunta é porquê não se consegue resolver este problema, já que são gastos milhões em segurança e só piora? Porquê não a interesse da classe politica em resolver isto? Porquê temos que mudar estruturas arcaicas e ineficazes e falta coragem ou sabedoria daqueles que se dizem entendidos, que não tem humildade de dialogar com a sociedade. São os donos da verdade e não aceitam ser questionados.
Uma das principais causas da violência, é a GERAÇÃO NEM NEM. Segundo o IBGE , em 2013, 20% da população entre 18 e 20 anos NÃO trabalha NEM estuda. Não consta nos índices de desemprego, pois não procuram trabalho. Se procurar trabalho, não tem estudo nem qualificação profissional. Estes jovens são geralmente os que frequentam as crônicas policiais, cometendo os crimes mais violentos. São jovens que sofrem, em não poder comprar os celulares de ultimo modelo, tênis e roupas de grife e que ganhariam salario mínimo, se tentarem entrar no mercado de trabalho sem qualificação profissional.
Somos todos vitimas de um Estado que não investe em educação, cuja escola pública se mantem, através do esforço abnegado de professores que insistem em dar aulas, em condições precárias. Vemos o dinheiro dos cidadãos ser surrupiado, nas obras que não são feitas e não acontece nada, ninguém é preso, pois roubar do governo não da cadeia.
No 2 º grau é a  uma etapa fundamental na formação do caráter e preparação para a formação  profissional. É justamente esta etapa, que esta mais sucateada. Basta visitar as escolas estaduais para se constatar, aomissão do Estado nesta importante etapa da formação.
Geração NEM NEM é o nome que se dá a estes jovens, que são porta de entrada do crime. Estão jogados a própria sorte. Geralmente seus pais são pessoas trabalhadoras, mais humildades, que saem para trabalhar pela manhã e retornam a noite. A escola não segura seus filhos, mas o crime e trafico, acaba adotando-os.
A solução um velho politico chamado Brizola já havia dado, os CIEPS. Alguns foram construídos nos anos 90, em Novo Hamburgo e São Leopoldo, alguém sabe onde eles ficam? Chegou a hora, de nós que estamos enterrando nossos entes queridos, exigir da classe politica uma solução imediata, para salvar as gerações que estão vindo, para não entrar para escola do crime.
Dr. Andres Kieling
CREMERS 15169