Paralisia facial
A paralisia facial é a paralisação, ou diminuição da movimentação, de um lado da musculatura do rosto. Uma das características mais notadas é que o lado funcionante acaba contraindo o canto da boca para seu lado, fazendo com que o paciente com paralisia facial fique com a sensação de “boca torta”. Os antigos relacionavam muito com a troca brusca de temperatura, como abrir a geladeira em dias de calor, etc. Hoje sabemos que essa suspeita não se confirma.
A causa mais comum da paralisia facial é a Paralisia de Bell, onde outros nervos e funções não são afetados, somente o nervo que faz a inervação dos músculos da face: o nervo facial. Atualmente acredita-se que o grande culpado pela Paralisia de Bell é uma infecção no nervo causada por um vírus, onde o vírus do Herpes é mais frequentemente identificado. O nervo facial, no caminho do cérebro para os músculos, passa por dentro de um canal ósseo bem estreito na região dos ouvidos. Se o nervo sofre uma inflamação, como a causada pelo vírus da Herpes, acaba não tendo espaço para inchar, causando sofrimento e perda de função do nervo. Dependendo da região onde o nervo acaba inchando, outros sintomas podem aparecer, como sensibilidade atrás da orelha, ressecamento do olho por diminuição da produção de lágrima e alteração no paladar na língua. Isso acontece porque o nervo facial participa de todas essas atividades. Quando o vírus causador é o Herpes Zoster, o nervo da audição e do equilíbrio (que é o mesmo) pode ser afetado, causando perda de audição, tontura e vesículas na orelha, síndrome conhecia como de Ramsay-Hunt.
A maior preocupação do paciente e do médico quando apresenta paralisia facial é que possa estar ocorrendo um acidente vascular cerebral (AVC ou derrame), portanto é importante que o paciente seja avaliado por um médico o mais breve possível. O diferencial da Paralisia de Bell com o AVC é que no AVC outros sintomas acompanham, como perda de força em algum membro, alteração na fala, no caminhar, alteração de sensibilidade, etc. Como dito antes, a paralisia de Bell tem como único sintoma importante a paralisação de um lado do rosto. Infecções crônicas nos ouvidos também podem causar paralisia facial, mas normalmente o quadro é mais lento, não súbito. Outro motivo para procurar atendimento médico o mais breve possível é pela necessidade de tratamento imediato para melhorar as chances de recuperação. O tratamento deve ser iniciado em 72h, tendo alguns estudos dizendo que tem que ser iniciado nas primeiras 48h dos sintomas. No geral a evolução é benigna com a maioria dos pacientes recuperando os movimentos em até 6 meses, mas a recuperação é lenta, demorando cerca de 2 meses para se pensar em investigações posteriores, o que gera grande ansiedade nos pacientes. Quando os episódios são repetidos, aí é fundamental uma investigação mais aprofundada.
A Paralisia de Bell ainda possui muitas perguntas e poucas respostas sobre sua etiologia, mas sabemos que a evolução tende a ser favorável e, mais favorável ainda, se o tratamento for instituído preferencialmente nas primeiras 48h do início dos sintomas. Portanto, o atendimento médico precoce é imperativo. Mesmo com o tratamento adequado a melhora será lenta o que gera grande ansiedade no paciente e no médico.
Dr. Eduardo Homrich Granzotto
CREMERS 27691
Fonte: Jornal NH – Caderno de Saúde – Segunda-feira, 02 de maio de 2016.