Resiliência

      Resiliência é a palavra da vez. Há pelo menos uma década, esse conceito virou motivo de vários estudos. Hoje é um termo cada vez mais falado e divulgado, seja no mundo dos negócios ou das questões pessoais.
Ser resiliente é ser, sem deixar abater facilmente pelos problemas, resistente às muitas frustrações a que o ser humano é submetido, bem como ter habilidade de procurar soluções para superá-los, transformando as adversidades em oportunidades.
E há mais, O resiliente não perde tempo culpando as pessoas Põe seus fracassos, muito menos faz papel de vítima. Pesquisadores deste tema têm como traço comum o bom humor, energias e atitudes éticas.
O termo resiliência vem do latim que significa voltar para trás, ou voltar ao estado natural.
Traços de Comportamento: A capacidade de sobrevivência do ser humano é inata, mas devido sua força interna, algumas pessoas são mais capazes que outras para se restabelecer após sofrer pequenos e grandes revezem. Muitas pessoas sucumbem a problemas simplesmente por não perceber que existem escolhas.
Um dos traços mais marcantes dos resilientes é que para eles a maneira de reagir é mais importante que o problema em si. O infortúnio serve como caminho de travessia ou como motivo de se vitimar, portanto a dor é inevitável e o sofrimento opcional, conforme coloca Carlos Drumond de Andrade.
Para o resiliente tirar o melhor do pior, com otimismo não tem nada a ver com a transformação de desgraça em algo bom. Pelo contrário, os resilientes passam por crises e sofrem. Apesar do bom humor comum entre eles, não ficam sempre sorrindo, achando que esta tudo bem. É importante identificar, nos momentos cruciais os sentimentos e as necessidades. Se não houver essa transparência, o auto-engano abafa todas as possibilidades de reverter à situação. Embora a fragilidade seja vista por muitos como algo negativo, os resilientes não a escondem, fechando-se em seu problema, e pedem ajuda.
Outro traço dos resilientes é a flexibilidade. Ninguém é 8 ou 80. São avessos a rigidez, por isso tem uma personalidade paradoxal, ou seja, sensível e forte, rude e gentil, preguiçoso e trabalhador, autoconfiante e autocrítico. Estas características o ajudam na adaptação às mais variadas situações. O bom humor está muito presente na personalidade dos resilientes que vêem este artifício como uma maneira de se sentirem bem. Não um sorriso falso nos lábios, mas uma questão de atitude interna. O bom humor areja o raciocínio, facilita o contato com o outro e oferece subsídios para pensar em soluções.
A persistência é o outro ponto forte. Os resilientes focam o objetivo e não arredam pé. São pessoas que procuram fazer as coisas acontecerem.  Levam um tombo, choram, mas levantam e continuam caminhando. Assim acabam desenvolvendo autoconfiança e autoestima. Desta forma são pessoas que sempre estão prontas para assumirem novos desafios. Concluindo: A resiliência é um fenômeno psicológico construído e não uma tarefa do sujeito sozinho. As pessoas resilientes contaram com a presença de figuras significativas, estabelecem vínculos, seja de apoio ou de admiração. Tal experiência de apego permitiu o desenvolvimento da autoestima e da autoconfiança.

DR. RAUL CASSEL – CRM 15.31