Sobre as dores nas costas
A “dor nas costas” costuma ser uma das queixas mais freqüentes em emergências e consultórios, principalmente de traumatologistas e reumatologistas. É muito provável que, pelo menos uma vez na vida, um indivíduo sentirá dor nas costas. Toda a região próxima da coluna pode doer, mas em geral as queixas costumam se concentrar na coluna cervical e lombar, onde temos os movimentos com maior amplitude.

A grande maioria das dores neste local são benignas, isto é, não correspondem a nenhuma doença ou lesão grave. De longe, as causas mais comuns são as ditas “mecânicas”, em que o mecanismo da dor envolve músculos, tendões e ligamentos, que podem sofrer pequenas lesões devido ao tipo de atividade que realizamos durante o dia. É sabido, também, que o uso inadequado da coluna é frequente causador destas lesões, e a atividade física regular pode “preparar” melhor a coluna para o dia-a-dia.

A maioria das dores são “agudas”, com pouco tempo de desenvolvimento, e costumam ser limitadas, de fácil tratamento. Embora o mais comum é o uso de anti-inflamatórios e analgésicos, o tratamento sem remédios, com calor local, fisioterapia e reeducação do uso da coluna são pelo menos tão bons quanto ou melhores, além de mais importantes para o longo prazo. A realização de exames como raio X, tomografia ou ressonância magnética não estão recomendada, já que apenas adicionam custos sem dar qualquer informação relevante na grande maioria dos casos, além de poderem contribuir com radiação ionizante – capaz de alterações nas células que podem levar, ao longo dos anos, ao desenvolvimento de câncer.

Mesmo assim, anualmente se realizam milhares de raios X para coluna, que muitas vezes apenas aumentam a ansiedade do paciente, com evidências de, por exemplo, “discopatia degenerativa”, “uncoartrose”, “degeneração fascetária”, entre outros “palavrões” que mais assustam do que significam qualquer doença. Tais alterações são muito comuns em todos os seres humanos ao longo da vida, e não têm qualquer relação com sintomas de dor. Assim, deve-se ter muito cuidado em propostas de tratamentos mais agressivos apenas por conta destas alterações, e sempre buscar uma segunda opinião.

Quais são os sinais de alarme, então?

Alguns sintomas ou sinais são mais sugestivos de doenças subjacentes: dor súbita, emagrecimento, febre, dor ao urinar, inapetência, alterações de pele na região da dor são alguns exemplos. Em geral, para a grande maioria dos casos, uma consulta bem realizada com o clínico resolve quase todas as questões, e não é necessária a avaliação com um especialista. Raramente exames adicionais são necessários, pelo menos nas primeiras avaliações. Por isso, ao consultar sobre dor nas costas, esteja preparado para, estando tudo bem, já iniciar a atividade física!

Pedro Guilherme Schneider
Medicina Interna / Reumatologia
CREMERS 28572