Sol na medida certa

Muito se fala sobre os malefícios dos raios solares além da conta e sem proteção. De cara, todos se lembram dos tumores cutâneos. No entanto, poucos sabem que aquelas horas fritando na areia por um bronzeado enfraquecem o sistema imunológico, deixando o corpo menos resistente a vírus, fungos e bactérias. O que acontece é semelhante ao cansaço e ao esgotamento que sentimos após um dia na praia. A radiação ultravioleta – tanto a UVA quanto a UVB – faz com que as células do sistema imune da pele percam energia, dando sopa para qualquer micro-organismo estranho agir.

“É assim que surgem o herpes, vírus que a maioria das pessoas carrega sem nem sequer desconfiar, as micoses e até mesmo algumas viroses”, explica o dermatologista Marcus Maia, da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Ele ressalta que indivíduos com imunossupressão, como transplantados e soropositivos, correm um risco ainda maior e devem evitar a superexposição em dias ensolarados. Para alguns, chegam a ser sugeridas roupas com filtro solar.

O próprio bronzeado, que muitos veem como sinal de saúde, não passa de uma reação do organismo ao UVB, predominante no verão. O colorido da estação é, na verdade, resultado da oxidação do pigmento que tinge a cútis, a melanina. “É uma forma de proteção, que não deixa a radiação penetrar demais na pele”, explica o tricologista Valcinir Bedin, diretor do Centro Integrado de Prevenção do Envelhecimento, em São Paulo. Mas, se há exagero, o tom de camarão indica um processo inflamatório. “A vermelhidão significa que a pele foi danificada pelo UVB”, afirma a dermatologista Flávia Addor, da Sociedade Brasileira de Dermatologia. “E é uma evidência de que as defesas do corpo estão temporariamente em baixa”, reforça. A imunidade em frangalhos é um prejuízo imediato. Porém, existem outros problemas mais perigosos provocados pelo efeito cumulativo do sol.

E a vitamina D?
Os banhos solares são a principal fonte da substância, que é essencial para os ossos. Mas, se a atuação em prol do esqueleto está comprovada, não há estudos conclusivos sobre a relação entre a vitamina D e a imunidade – principalmente sobre o modo mais seguro de obtê-la. A recomendação clássica é a seguinte: bastam 15 minutos de sol, das 11 às 15 horas, sem protetor, em pelo menos 15% do corpo (braços e pernas devem estar de preferência descobertos), de duas a três vezes por semana. “Mesmo em um país ensolarado como o nosso, grande parte da população tem deficiência de vitamina D”, diz Marcus Maia. Entre os dermatos, os suplementos são um consenso, já que seria mais arriscado aconselhar um paciente a tomar sol sem proteção. É preciso ingeri-los após a refeição, para facilitar a absorção intestinal.
Proteja-se corretamente 
Em primeiro lugar, use o filtro solar todos os dias, não só durante as férias. Evite a exposição com o sol a pino, entre às 10 e às 16 horas. Prefira produtos com fator de proteção solar (FPS) 30. Marcus Maia ressalta que as pessoas economizam na quantidade e não reaplicam o produto da forma correta. O ideal, segundo Valcinir Bedin, é passá-lo 30 minutos antes de encarar o astro rei. Volte a se besuntar uma vez ao dia; na praia, a cada duas horas. Vale lembrar que é preciso recorrer de novo ao filtro a cada mergulho, no mar ou na piscina. Prefira os que previnem a ação do UVA e do UVB.
Filtro sempre e para todos 
Ele deve fazer parte da rotina tanto de quem tem a pele mais clara como da dos negros
Qualquer idade Adultos e crianças: os efeitos do sol são nefastos para a família inteira.
Qual tipo? Tanto faz se é creme, spray ou gel. O último deve ser reaplicado mais vezes.
Nublado, e daí? Não importa se o tempo fechou, é importante usar o produto sempre.
Por fim… Beba água. Isso evita o ressecamento da pele e a desidratação que causa a insolação.
FONTE: abril.com – Saúde – por Talita Eredia