Tenho carne esponjosa no nariz?
Diariamente recebemos esse questionamento no consultório, inclusive o assunto foi ideia de um paciente. O motivo da consulta, na grande maioria das vezes, é pela dificuldade em respirar adequadamente pelo nariz, enquanto outras, é por conhecidos ou familiares que tiveram que fazer cirurgia de “carne esponjosa”. A realidade é que não existe na medicina esse termo: “carne esponjosa”. É simplesmente uma maneira mais fácil de explicar aos pacientes e familiares que existe um tecido mole atrapalhando, mas o termo pode ser usado como “coringa” para uma variedade de patologias.

Os tecidos moles que obstruem as vias aéreas variam conforme a idade. Na criança, a causa mais comum é adenóides. Consiste em um tecido mole situado entre o nariz e a garganta que começa a crescer em todas as crianças em torno do segundo ano de vida, atinge seu tamanho máximo ao redor dos 6 anos e sofre uma atrofia progressiva até a terceira década de vida. Se todas têm, por que somente algumas operam? Porque o tecido pode crescer de tal maneira, em algumas crianças, que acaba obstruindo a passagem de ar entre o nariz e a boca, levando a várias alterações de crescimento dos ossos da face e dentes. Também aumentam a chance de infecções das vias aéreas (como gripes, resfriados, amigdalites, otites, etc.). Se o tecido vai sofrer atrofia até os vinte e poucos anos, não seria melhor esperar ao invés de operar? Não! Estudos atuais mostram que a criança precisa respirar adequadamente pelo nariz até os 4 anos de idade, após isso começam as alterações de crescimento que são irreversíveis. Não existem aparelhos ou cirurgias que retomem a anatomia normal, os tratamentos somente melhoram, mas com várias limitações.


Nos adultos, como as adenóides já sofreram atrofia, essa não é uma causa comum. Existem, sim, raros adultos que podem permanecer com um aumento desse tecido, porém é necessário inclusive analisar o tecido em laboratório por risco de câncer. A causa mais comum da referida “carne esponjosa” em adulto é em relação aos cornetos nasais. Os cornetos são estruturas semelhantes a salsichas que ficam nas laterais das fossas nasais, eles têm a capacidade de inchar e aumentar o seu tamanho, o que causa obstrução. Todos temos essas estruturas nos nossos narizes, são eles os principais responsáveis pela função nasal de aquecer e umidificar o ar. O problema é que, algumas vezes, eles podem ser grandes demais ou ficarem aumentados na maior parte do tempo. Quando são grandes demais, está indicado cirurgia, onde a remoção total não é recomendada, somente a diminuição do tamanho. Isso porque a remoção total atrapalha na função nasal de aquecimento do ar. Algumas vezes eles não são grandes, somente ficam aumentados por longos períodos. Nessas situações é a rinite alérgica a causa mais comum, portanto o tratamento não é cirúrgico, e sim clínico.


Pólipos nasais também são referidos como “carnes esponjosas”. Não são estruturas normais do nariz, crescem por motivos ainda não bem definidos. A rinite alérgica descompensada, e não tratada, é um fator de risco importante, e pode acontecer em adultos e crianças. Em adultos têm de ser observados mais de perto por risco pequeno de neoplasia.


O problema não é se “ter” ou “não ter” carne esponjosa, é, sim, a obstrução das vias aéreas. Dependendo da causa, essa obstrução pode ser tratada clinicamente ou cirurgicamente, o profissional mais indicado para avaliar é o otorrinolaringologista. Na suspeita, uma avaliação deve ser procurada para evitar possíveis complicações.
Dr. Eduardo Homrich Granzotto
Otorrinolaringologista
CREMRS – 27691