Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) em adultos
O TDAH é um distúrbio do desenvolvimento neurobiológico, que geralmente está relacionado à infância e a adolescência. Ele pode ocorrer em adultos? Inicia na infância e melhora com a idade? No adulto é diferente da criança? Estas e muitas outras dúvidas, os profissionais da saúde mental são questionados constantemente a responder, a educar e tratar.
Dados atuais apontam que em torno de 25% dos casos que iniciam na infância, continuam na idade adulta. Os sintomas são semelhantes, mas com impacto diferente. No adulto a falta de concentração não é o mais relevante, até por que ele já apreendeu a conviver com ela. As queixas trazidas pelas famílias e pelo adulto com o distúrbio, são de que o mesmo apresenta insatisfação na sua vida pessoal, no trabalho, nas relações, menor qualidade de vida, rupturas freqüentes de vínculos afetivos, baixa autoestima, infrações de trânsito ou acidentes automobilísticos freqüentes, dependência emocional excessiva dos pais, incapacidade de estabelecer ou manter relações interpessoais seja no campo social ou afetivo, enfim, a desorganização na condução de sua própia vida se faz presente.
Na vida adulta, é normal que o sujeito seja exposto a situações onde as exigências pela organização, pelo foco na vida profissional, e demais atividades do cotidiano, sejam feita de maneira excessiva, onde o indivíduo acaba não conseguindo realizar, ou então realiza com sofrimento psíquico.
O adulto por estar adaptado com os seus sintomas, pode ser entendido, como sendo traços de sua personalidade, podendo até ser diagnosticado e tratado como outras doenças, ou interpretado como parte de uma personalidade problemática. Geralmente esse adulto é considerado uma pessoa desorganizada, que está sempre atrasada, que não cumpre prazos, regras e leis. É impulsivo e agressivo quando contrariado, inicia várias tarefas ao mesmo tempo, não concluindo a maioria, não consegue manter a atenção, envolvesse com drogas licitas e principalmente ilícitas, como maconha e cocaína. Apresenta grande dificuldade para realizar tarefas rotineiras, só se sente estimulado nas situações que lhe dá prazer. Não consegue eleger prioridades, perdendo tempo em questões supérfluas, esquece compromissos, datas, ocasionando dificuldades nas relações afetivas, devida a esta característica.
O TDAH também pode ser acompanhado de outras enfermidades emocionais, como Depressão, Transtorno Bipolar, Transtorno de ansiedade, Dependências Químicas e outras. A depressão é a enfermidade mais comum, podendo estar associada a problemas de autoestima, devido aos inúmeros problemas que o TDAH causa para vida pessoal, social, profissional e afetiva.
Para o tratamento, é importante conhecer este distúrbio, precisa-se aprender sobre o TDAH, pacientes e familiares. Saber como ele se apresenta seu comprometimento no modo de vida da pessoa, suas reações, e principalmente entender por que é, uma doença, e como lidar com suas manifestações. Devido à série de dificuldades para a vida, seus sintomas precisam ser tratados com psicoeducação, medicamentos e psicoterapia.
Dr. Andres Kieling
PSIQUIATRA – CREMERS 15169